Postado em 18 de Junho de 2018 às 15h54

Moradia digna para famílias de baixa renda

Cleiton Fossá | Vereador Chapecó – O direito à moradia está garantido no 6º art. da Constituição Federal, bem como o acesso à saúde, educação e segurança...

Chapecó – O direito à moradia está garantido no 6º art. da Constituição Federal, bem como o acesso à saúde, educação e segurança pública. Foi a partir deste direito que iniciou em 1976, por meio dos Sindicatos dos Arquitetos do Rio Grande do Sul (Saergs), a luta para garantir moradia digna para famílias de baixa renda. A Lei de Assistência Técnica à Moradia de Interesse Social foi sancionada em dezembro de 2008.

Denominada Lei 11.888/2008, tem como objetivo assegurar aos brasileiros, acesso a profissionais que possam garantir habitação qualificada e sustentável, bem como políticas de inclusão social. Para tal, serão atendidas famílias com renda de até três salários mínimos. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), em Chapecó existem cerca de 3.286 famílias que possuem no máximo três salários mínimos. Logo, estas famílias poderiam ser beneficiadas pela lei.

Na última terça-feira, dia 12, por meio da Câmara de Vereadores de Chapecó, em proposição do vereador Cleiton Fossá, foi realizada uma reunião de trabalho para pautar a implantação de assistência técnica no município. De acordo com o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), 85% dos brasileiros planejam e reformam suas moradias sem orientação de profissionais.

“As habitações são irregulares por falta de profissional qualificado para desenvolver o projeto. Uma parcela da população passa a vida inteira guardando o seu dinheiro para construir a sua casa e não recebem aporte, esta lei de habitação de interesse social é muito importante no papel do arquiteto e urbanista. A partir disso a nossa intenção é que a gente consiga tirar esses projetos do papel”, salienta Gabriela Borges, professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó).

A professora ressaltou também a importância de criar a lei municipal, já que o cadastro precisa ser realizado pelo município, que vai selecionar os moradores e os profissionais que vão desenvolver o projeto. Deste modo, serão beneficiadas famílias que tenham renda correspondente até três salários mínimos, sem restrições em relação ao local e sem necessidade de participar de movimentos organizados.

A lei de assistência não substitui outros programas que contribuem para o acesso à moradia, pelo contrário, é uma alternativa a mais para beneficiar famílias que não estão entre as características exigidas no planejamento de programas como Minha Casa, Minha Vida e Crédito Solidário e também, não possuem regras rígidas que impeçam a qualidade das moradias, como reivindicava o Banco Nacional de Habitação (BNH).

Na reunião, também foi apontada a importância da criação de convênios. Os serviços oferecidos por arquitetos e urbanistas, assistentes sociais e profissionais do Direito, precisam ser custeados pelo governo. “É necessário engajamento da Caixa Econômica em virtude do fundo, e a principal função do fundo é a remuneração dos profissionais. A lei assegura que a pessoa de baixa renda tenha acesso ao profissional arquiteto e urbanista, e o fundo serve pra isso, que a gente evite a questão da autoconstrução que traz um risco grande para essas pessoas”, afirma Katiane Balzan, coordenadora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unochapecó.

Para que a lei possa ser colocada em prática no município de Chapecó, o setor de captação de recursos da Prefeitura ficou responsável por fazer contato com o Ministério das Cidades. “Com simples soluções acompanhadas por um profissional qualificado, sem aumentar os custos da habitação, a gente consegue promover melhoria na qualidade de vida e dar suporte para regularização fundiária. Uma série de benefícios que a gente passa alcançar, a partir do primeiro passo que é a lei municipal”, conclui Balzan.

 

Alessandra Favretto, Assessoria de Comunicação Cleiton Fossá

Imagem: Divulgação/Caixa Econômica Federal

Veja também

Fossá avalia dois primeiros anos de mandato22/12/14 Chapecó - Encerrando o segundo ano de mandato como vereador em Chapecó, Cleiton Fossá promoveu debate em áreas que impactam diretamente na vida dos cidadãos chapecoenses, buscando resolver problemas cotidianos. Dentro das prerrogativas de vereador, temas como saúde, educação, segurança pública, inovação tecnológica, ética e transparência pública foram áreas de forte atuação nesta primeira metade de legislatura e......
Brasil não possui casos de reinfecção por Covid-1927/08/20        O Diretor do Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis, Eduardo Macário, esclareceu que, até o momento, o Brasil não possui casos......

Voltar para NOTÍCIAS