Postado em 23 de Março de 2018 às 14h54

A saúde de Chapecó está doente

Chapecó – Embora o acesso às informações públicas sejam direitos dos cidadãos, previsto pela Lei 12.527/2011, muitas entidades insistem em negar o pedido ao acesso. O Conselho Federal de Medicina (CFM) solicitou em 2017 para as secretarias de saúde, informações sobre a existência de filas no Sistema Único de Saúde (SUS).

Entretanto, quatro estados afirmaram não possuir informações sobre a existência de filas e, dois negaram o pedido. De acordo com o CFM, o Brasil registra mais de 900 mil procedimentos para cirurgias.

A família da Marcia Friederich é uma entre as milhares que precisam utilizar o SUS. "Eu sou paranaense, conheci o meu marido quando fui morar em São Paulo. Moramos em Chapecó desde 1995", ressalta Marcia. O estado de São Paulo registrou 144 mil procedimentos pendentes.

A pouca estrutura nas unidades de saúde e a demora no atendimento é um problema que abrange a maior parte dos estados brasileiros. O Maurício, marido da Marcia, ao sair do trabalho em uma quarta-feira do mês de março de 2015 ficou com o lado direito do corpo paralisado, características que indicavam um acidente vascular cerebral (AVC).

Marcia ligou para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Porém, Maurício só recebeu atendimento quando os vizinhos o levaram para uma unidade de saúde. No tempo o SAMU recebeu muitos trotes. Logo, não acreditaram na veracidade do pedido de ajuda. A família aguardou ansiosa no hospital, Maurício precisou fazer uma série de exames para descobrir a causa do seu mal-estar.

Por conseguinte, Maurício foi diagnosticado com um tumor na cabeça, que tinha o tamanho de uma laranja. Entretanto, o tumor está enraizado, o que significa que o Maurício realizará cirurgias por toda a vida para controlar o tamanho e também necessita tomar inúmeros remédios por dia. As unidades de saúde têm parte da medicação que o Mauricio precisa.

Porém, a Marcia não pode contar com este benefício todos os meses, pois falta com frequência, ou seja, até mesmo os remédios que ela tem direito, muitas vezes é necessário comprar. No total ele precisa de 15 medicamentos, seis a família compra e paga por mês R$ 700,00 por estes, precisaram realizar uma vaquinha online, para suprir os medicamentos o SUS não oferece Marcela, a filha do casal, fica com o pai. Portanto, não pode ajudar com a renda em casa.

Além disso, ela também espera tratamento no SUS, pois desenvolveu a síndrome do túnel do carpo no braço direito, Marcela não tem força e nem agilidade. O mandato entrou em contato com a Secretaria de Saúde de Chapecó, mas ressaltaram não ter informações sobre a fila de espera do SUS. Entretanto, entrevistamos 60 pessoas, destas 30 são mulheres e 30 homens. 

Mulheres:

* Seis esperaram em média dois meses e meio para consultar com especialista;

* Sete aguardaram em média 10 meses para fazer o exame;

* Quatorze precisaram esperar em média três anos e seis meses para realizar a cirurgia;

* Três nunca precisaram utilizar o SUS;

* Duas das 30 mulheres disseram que conheceram alguém que faleceu ainda quando aguardava na fila para um procedimento urgente;

* Oito ficaram satisfeitas;

* Dezoito ficaram insatisfeitas;

* Quatro prefiram não opinar.

Homens:

* Sete esperaram em média oito meses para consultar com especialista;

* Onze aguardaram em média um mês para fazer o exame;

* Oito precisaram esperar em média dois anos para realizar a cirurgia;

* Quatro nunca precisaram utilizar o SUS;

* Oito ficaram satisfeitos;

* Dezessete ficaram insatisfeitos;

* Cinco prefiram não opinar;

* Um ainda frisou que precisou voltar para o Paraná, pois quando veio morar em Chapecó ele não foi atendido.

 

A Mari é uma das mulheres que afirmou conhecer alguém que faleceu esperando um tratamento por meio do SUS. A mãe dela foi a óbito em 2007 e, em 2012 a Mari precisou ir em uma unidade de saúde para consultar, foi aí que descobriu que a mãe dela ainda estava na fila de espera por cirurgia. "Não contei que a mãe já tinha falecido. Estou só esperando alguém me ligar pra dizer que chegou a vez dela", frisou a ex-enfermeira.

O Sistema de Centrais de Regulação (SisREG) oferece informações sobre as consultas, mas é necessário que todas as ações de interesse público estejam disponíveis para todos. Em Chapecó, os vereadores não aprovaram pela quinta vez consecutiva o Projeto de Lei 072/17, apresentado pelo vereador Cleiton Fossá.

O projeto tem como proposta divulgar a lista de pacientes que aguardam por consultas, exames e cirurgias em nosso município, para que todos tenham previsão de quando serão atendidos, quantas pessoas estão na frente e para que possam ajudar a fiscalizar a eficiência do atendimento público. Claro que visa proteger a integridade dos usuários, ou seja, o nome, bem como as patologias e necessidades não seriam expostas de acordo com o projeto.

O vereador insiste, ano após ano, na aprovação de projeto pela transparência na saúde e que os investimentos públicos para a publicidade sejam destinados para a saúde da população, hoje cerca de 21 milhões.

 

Alessandra Favretto, Assessoria de Comunicação Cleiton Fossá

Veja também

Tribunal de Contas de Santa Catarina suspende edital de concessão do Aeroporto de Chapecó26/11/19         Na última sexta-feira (22), protocolei a impugnação ao Edital 228/2019 que tem por objeto a concessão para expansão, exploração e manutenção do Aeroporto Municipal Serafim Enoss Bertaso, por entender que existem irregularidades de determinados itens, que podem levar ao direcionamento do processo licitatório.  ......
Mariani selecionado para o prêmio Congresso em Foco18/07/18 Brasília/DF – O deputado federal Mauro Mariani, pré-candidato ao Governo do Estado pelo MDB, está entre os selecionados para o Prêmio Congresso em Foco 2018, conhecido como o “Oscar da Política Brasileira”.......

Voltar para NOTÍCIAS