Postado em 08 de Abril de 2020 às 09h14

Emprego e Renda em tempos de crise - Entenda a importância das políticas públicas

Cleiton Fossá | Vereador        Após a crise de 2008 e 2009 que assolou o mundo, o Brasil também ainda se recuperava da crise nacional de 2014 e 2015.        Neste cenário, com...

       Após a crise de 2008 e 2009 que assolou o mundo, o Brasil também ainda se recuperava da crise nacional de 2014 e 2015.

       Neste cenário, com a nova crise instalada, a qual têm sua origem na saúde, faz se necessário olhar a desigualdade presente no país e ao grande grupo da população que se encontra no desemprego ou na economia informal.

       É preciso considerar os direitos de todos os cidadãos, assegurados pela Constituição, e o papel das políticas públicas neste momento, ou seja, programas, ações e decisões que precisam ser tomadas pelos governos, com a participação direta ou indireta de organizações públicas ou privadas para amenizar os impactos gerados.

       A Organização Internacional do Trabalho (OIT) afirmou que o aumento do subemprego e grandes perdas de renda para os trabalhadores pode chegar em até 3,4 trilhões de dólares devido a paralisação da economia. Além disso, o número de pessoas no desemprego pode chegar a 25 milhões de pessoas no desemprego. Já a Organização das Nações Unidas (ONU) sinaliza que este número pode baixar para 5,3 milhões se as consequências econômicas forem contidas.

       No Brasil, dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que em janeiro deste ano, o país tinha 11,9 milhões de desempregados

       Segundo análise do banco Santander, o desemprego no país pode alcançar 2,5 milhões de pessoas no pico da crise econômica e deve encerrar o ano com a taxa média de 12,3% acima da observada em 2019, que foi de 11,9%. Para a organização financeira, as medidas de estímulo fiscal para ajudar amenizar os efeitos da crise e a queda na arrecadação provocada, devem levar o país encerrar o ano com um déficit do setor público de R$ 452,5 bilhões, equivalente a 6,2% do PIB.

No entanto, de acordo com Armínio Fraga, ex presidente do Banco Central, são essas as medidas que podem salvar empresas e empregos, e assim o resultado será para sociedade como um todo. Segundo ele, em relação ao sistema econômico de outros países, o Brasil pode ter mais dificuldades ao enfrentar a crise.

       Por isso, é necessário políticas públicas ágeis que sejam conciliadas em medidas de curto e longo prazo que podem amenizar os impactos da crise.

       Até o momento, entre as medidas tomadas pelo Ministério da Economia frente a questão está:

- Liberação de R$ 200 bilhões para a saúde e a manutenção de empregos, que abrange a lei de auxílio emergencial de R$ 600,00.
- A redução do custo tributário de produtos utilizados na prevenção e tratamento do coronavírus.
- Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, o qual destinará até 8,5 milhões de empregos, beneficiando cerca de 24,5 milhões de trabalhadores com carteira assinada.
- Redução em 50% contribuições das empresas para o Sistema S
- Desoneração do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) incidente sobre operações de crédito, por meio de decreto; e prorrogação do prazo de entrega do IRPF de 30 de abril para 30 de junho. 

       Contudo, o momento é de incertezas. A crise é real e está instalada, mas os efeitos e suas consequências podem variar de um país para outro. 

       As políticas públicas empregadas pelo governo devem a ter responsabilidade social e econômica de resgatar a economia, manter os empregos dos trabalhadores e auxiliar os empresários com incentivos fiscais para que a economia volte a crescer.

       Contudo sempre prezando no que é o mais importante, a vida. Cabe a quem tem a possibilidade de mudar os rumos da nação, agir da forma correta e com responsabilidade coletiva. Pensar no povo trabalhador e em quem mais precisa. 

       Nosso mandato segue trabalhando firme e forte para defender os seus direitos. Conte sempre conosco, o que estiver ao nosso alcance tenha certeza que será feito.

 

 

 

Assessoria de Comunicação Vereador Cleiton Fossá
 



  • Cleiton Fossá | Vereador -

Veja também

Fossá já apontava problemas na Secretaria de Saúde18/11/16 Chapecó - No dia 21 de outubro de 2015, o vereador Cleiton Fossá apresentou requerimento solicitando informações à prefeitura de Chapecó, através da Secretaria de Saúde, sobre o convênio com o Consórcio Intermunicipal de Saúde de Santa Catarina (CIS) - Amosc. Na ocasião, a Secretaria de Saúde respondeu que não possuía informações e que as perguntas deveriam ser direcionadas ao CIS - Amosc. Agora, pouco mais de um......
Doença não marca hora e paracetamol não cura tudo!02/08/18 Chapecó – O Conselho Federal de Medicina publicou, em janeiro de 2018, que no Brasil há cerca de 904 mil procedimentos na fila de espera do Sistema Único de Saúde (SUS). Além da demora seja para marcar uma consulta, o......

Voltar para NOTÍCIAS