Postado em 18 de Junho às 16h35

Ensino EAD e as dificuldades encontradas pelas famílias, estudantes e professores

Cleiton Fossá | Vereador Em decorrência da pandemia do novo coronavírus, escolas no mundo todo suspenderam as aulas presenciais e passaram a buscar alternativas de manter o processo de ensino-aprendizagem. Segundo dados da...

Em decorrência da pandemia do novo coronavírus, escolas no mundo todo suspenderam as aulas presenciais e passaram a buscar alternativas de manter o processo de ensino-aprendizagem.

Segundo dados da Unesco, até o mês de março, 165 países haviam fechado suas escolas, interrompendo as aulas presenciais de 1,5 bilhão de estudantes e cerca de 63 milhões de professores da educação básica.

Aqui no Brasil, a experiência de ensino à distância ou EaD, era vista, somente na educação superior. De acordo com o Censo da Educação Superior, feito pelo Inep, em 2018, pela primeira vez na história, o número de vagas ofertadas em cursos universitários à distância foi superior ao número de vagas nos cursos presenciais, são cerca de 7,1 milhões contra 6,3 milhões.

Contudo, segundo os mesmos dados, ainda é bastante alta a quantidade de estudantes que não conseguem se formar. Dos 2 milhões de alunos que se matricularam em universidade presenciais, em 2018, apenas 990 mil se formaram.

O Número é mais assustador no ensino à distância, de 1,3 milhão de estudantes matriculados, apenas 274 mil se formaram.

Essa realidade serve como palco para discussão e reflexão sobre a qualidade e efetividade do ensino ofertado. Expandido para grande parcela da população, o ensino à distância, atualmente está no dia a dia da educação básica, no ensino médio, nos cursos preparatórios, e na universidade.

Durante a quarentena os aplicativos e plataformas on-line se destacaram como mecanismos possíveis para dar minimamente continuidade nas atividades escolares. Embora as perspectivas apontem para um resultado promissor, na prática pode ser muito diferente.

Inserir educação à distância, estratégia adotada pelos governos municipais, estaduais e Federal, na vida da população, escancara a desigualdade e as inúmeras dificuldades enfrentadas por milhares de estudantes, professores e os demais profissionais da educação.

Com falta de recursos, acesso limitado à internet, falta de equipamentos como computadores, celulares, e de um espaço apropriado para o momento de aula, estudantes e professores sofrem diariamente.

Ao mesmo tempo que o modo facilita o alcance dos conteúdos, leva o ensino a lugares remotos, ele revela a necessidade de qualificação e valorização dos profissionais da educação e a baixa escolaridade dos familiares que poderiam contribuir durante esse momento.

A qualidade do ensino ainda é bastante questionável, a exemplo dos muitos alunos que não conseguem ler nem escrever, e já na sala de aula sentem dificuldades para aprender e participar das atividades. À distância, a situação é mais complexa ainda.

O ensino à distância, não é a mesma realidade de convívio escolar proporcionado ao estudante. Essa condição de insubstituível importância, é central no processo de ensino. Sem falar sobre a alimentação escolar, que em muitos casos é tida como principal refeição de milhares de estudantes que vivem em situação precária.

A situação é complexa, pois não foi estruturada com antecedência, discutida por diferentes frentes, e sim, apenas realizada. Outra grande dificuldade no Brasil, é saber lidar com o avanço de tecnologias e ações, sendo que ainda há um atraso por parte de governantes em compreender a necessidade de uma educação justa, séria e de qualidade.

Diante das deficiências educacionais brasileiras, o ensino à distância não pode ser encarado somente como vilão. Nesta modalidade, existe a possibilidade de evitar deslocamento físico para uma instituição de ensino, a flexibilização do tempo e o alcance dos conteúdos e materiais.

Vivenciamos hoje um período de transição, de mudança, de repensar os modelos de ensino para adequarmos as escolas a uma realidade diferenciada, moderna, mais ativa e colaborativa. O ensino de qualidade, gratuito e inclusivo deve ser discutido, pautado e na prática estruturado da melhor maneira possível. 

 

 

Fique por dentro da atuação de Cleiton Fossá pelo WhatsApp, ou através das redes sociais: Facebook e Instagram.



Assessoria de Comunicação Vereador Cleiton Fossá 

  • Cleiton Fossá | Vereador -

Veja também

Fossá quer mudanças no sistema de numeração27/01/14 Chapecó - O vereador Cleiton Fossá voltou a manifestar preocupação em relação ao sistema de numeração da cidade de Chapecó. O parlamentar explica que recebe inúmeros relatos da comunidade devido os problemas na entrega de correspondências, motivada pela falta de ordem ordenada na numeração das residências, inexistência de placas de identificação nominal das ruas, falta de CEP, entre outros. Em novembro passado,......
Ações em junho visam o crescimento de Chapecó03/07/18 Chapecó – Ações concretas que visam o desenvolvimento econômico e social de Chapecó. Assim foram as principais atividades desenvolvidas pelo mandato de Cleiton Fossá durante o mês de junho. Além......
Lei Federal garante vagas para irmãos na mesma escola 20/01         Você sabia? A Lei 13.845/19 publicada no ano passado, alterou o inciso V do art. 53 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), e incluiu a garantia de vagas no mesmo estabelecimento para irmãos que......

Voltar para NOTÍCIAS