Postado em 11 de Maio de 2018 às 18h01

Maio Amarelo: Quem é você no trânsito de Chapecó?

Chapecó – Quarta-feira, 15h25 e o centro de Chapecó estava movimentado. Passos longos e rápidos. Para os chapecoenses, parar, para atender o celular ou até mesmo fazer um lanche, parece incogitável. O tempo corre e, os cidadãos colocam suas necessidades e prazos a frente de sua segurança. Pé na faixa! A frase já foi utilizada para inúmeras campanhas de conscientização no trânsito com a finalidade de incentivar a população a realizar a travessia no lugar adequado. Porém, muitas pessoas acreditam que basta seguir esta instrução para evitar acidentes e garantir as suas vidas e direitos, embora nem sempre cumpram os seus deveres.

Três minutos foi o tempo necessário para que 175 pessoas atravessassem a rua Marechal Bormann, esquina com a avenida Getúlio Vargas, enquanto o semáforo estava vermelho para pedestres. Outras sete atravessaram até mesmo com o sinal verde para veículos e por pouco não foram atropeladas. Os motoristas ameaçaram arrancar quando duas mulheres cruzaram a rua correndo, após o susto uma delas ressaltou “Não deveria ter atravessado, mas agora já foi”.

Outra moça, antes de atravessar, minimamente executou o requisito básico de segurança: olhou para o semáforo. Thaysa é estudante de Direito e também é atleta. Logo, para cumprir a sua agenda ela viaja com frequência. “As pessoas são acomodadas aqui em Chapecó. Ninguém espera abrir o sinal para os pedestres para poder atravessar a rua. Nas metrópoles às pessoas não tentam por o pé na rua antes de abrir o semáforo para pedestres, porque lá não existe a probabilidade de acontecer um acidente, existe certeza. São Paulo por exemplo é um município com muitos veículos e muitos pedestres, ninguém, ou pelo menos a maioria, tenta se atirar na faixa pra atravessar”, frisou Thaysa.

Um senhor de boné foi um, entre os sete, que atravessou a rua com o semáforo verde para veículos, e pior que isso, nem para os lados olhou. Carregando a sua bicicleta junto a uma caixa de laranjas, ele seguiu olhando para os pés. Não expressou desespero, tanto que um carro que dobrou na esquina precisou parar. Iniciou a sequência de buzinas, o trânsito ficou trancado. Doze segundos, este foi o tempo que o senhor demorou para chegar até o canteiro.

O Lucas, de 16 anos, sorriu e em seguida colocou a mão na boca, na tentativa de segurar o riso. “Lucas, para que serve o semáforo para pedestres?”, para ele, a pergunta pareceu boba. “Ué, para que as pessoas saibam o momento que devem passar”, assim concluiu. Em seguida questionou, “Por que a pergunta? Eu acho tão óbvio”. No tempo de cinco minutos, de todas as pessoas que passaram, um homem, que estava com algumas sacolas penduradas no braço e conduzia um carrinho de bebê, foi o único que esperou abrir o semáforo para pedestres. “Lucas, e você olhou o semáforo para pedestres? Aguardou a sua vez para passar?”. “Agora entendi a pergunta”, riu outra vez. “Não, não esperei. Pra falar a verdade, nem olhei”, ressaltou.

As entrevistas já estavam concluídas, mas antes mesmo que o mandato do vereador Cleiton Fossá saísse do local, uma caminhonete, que subia a avenida em direção ao banco Bradesco, resolveu cruzar a Marechal Bormann. Porém, a sinalização de que é proibido virar à esquerda está exposta naquela região. Para conseguir dobrar, o motorista foi indo aos poucos até que conseguiu fazer o trânsito parar pra ele passar num local irregular.

“Cultura”, esta palavra tem entre os seus principais significados o cultivo da terra. Porém, quando humanizada, à expressão revela outros sentidos. Logo, pode significar uma manifestação artística ou também apresentar costumes, regras e políticas que desenvolvam, em seu conjunto, um modo de vida.

O Código Brasileiro de Trânsito agrega normas para que seja possível a organização e o convívio social, regras que contribuem para com o modo de vida das pessoas. Logo, às punições são consequências de quem não sabe respeitar o espaço do outro. A Lucia, 36 anos, comercializa produtos na praça, ela revelou que consegue equilibrar seu papel como motorista, bem como o de pedestre. “O carro é mais forte que uma pessoa caminhando, por isso existe a faixa de pedestre e todas as sinalizações, para facilitar a circulação de veículos e pedestres. Mas precisamos ser sinceros, as pessoas só cumprem essas normas porque são obrigadas e não de fato porque respeitam”, afirmou.

 

Alessandra Favretto, Assessoria de Comunicação Cleiton Fossá

Cleiton Fossá | Vereador Chapecó – Quarta-feira, 15h25 e o centro de Chapecó estava movimentado. Passos longos e rápidos. Para os chapecoenses, parar, para atender o celular ou até mesmo fazer um lanche, parece...

Veja também

Fossá quer mudanças no sistema de numeração27/01/14 Chapecó - O vereador Cleiton Fossá voltou a manifestar preocupação em relação ao sistema de numeração da cidade de Chapecó. O parlamentar explica que recebe inúmeros relatos da comunidade devido os problemas na entrega de correspondências, motivada pela falta de ordem ordenada na numeração das residências, inexistência de placas de identificação nominal das ruas, falta de CEP, entre outros. Em novembro passado,......
Saiba mais a respeito do que Cleiton Fossá já fez05/09/18 Chapecó – Eleito vereador em Chapecó em 2012 e reeleito em 2016, Cleiton Fossá é reconhecido pela sociedade e pela imprensa como o mais atuante do município, muito pela presença nos bairros e comunidades do......
Chapecó tem dois pacientes curados do novo coronavírus01/04        Em meio ao cenário de incertezas e preocupações, chegam boas notícias. Uma delas foi repassada na manhã desta quarta-feira (01), pela prefeitura municipal de Chapecó, sobre a cura de dois......

Voltar para NOTÍCIAS