Postado em 09 de Outubro de 2015 às 17h54

O desespero do vice-prefeito Buligon

Chapecó (304)Cleiton Fossá (314)Luciano Buligon (5)Ministério Público (8)Resposta (3)Vereador (224)
Chapecó - As insinuações feitas pelo vice-prefeito Luciano Buligon na imprensa, de que nosso mandato teria recebido informações privilegiadas do Ministério Público, é mais uma tentativa desesperada e patética de desviar o foco dos graves problemas que ocorrem em Chapecó. A denúncia que gerou um TAC entre o MP e a prefeitura de Chapecó, por falta de segurança nos estabelecimentos municipais de ensino, não corre em segredo de justiça, ou seja, qualquer cidadão pode ter acesso aos dados. Acompanho o caso, pois se trata de uma representação feita pelo nosso mandato. É curioso que o Buligon, como advogado, ache 'estranho' a consulta de um processo público. Um acadêmico de direito sabe que qualquer cidadão pode consultar processo público. Preocupa-me saber que um gestor com tanto desconhecimento seja vice-prefeito de Chapecó e queira concorrer a prefeito. O governo Caramori/Buligon não está acostumado com transparência e mostra estar sempre desinformado em relação aos assuntos de interesse da comunidade, além de sempre tentar desviar o foco dos problemas e acusar promotores quando algum fato vem à tona. O que essa administração precisa é explicar o motivo de não cumprir o TAC no prazo, mesmo com os avisos do MP, cujo atraso resultou em multa de R$ 440 mil. Também, revelar os detalhes do contrato da merenda escolar, onde o Ministério Público Federal identificou direcionamento de licitação e superfaturamento na casa de R$ 7,9 milhões. E detalhar como que gastaram R$ 68 mil entre abril e setembro deste ano com aluguel da 'Casa do Professor', sendo que o local nunca entrou em funcionamento. Isso sem falar nas creches com obras atrasadas ou ainda fechadas.  

Cleiton Fossá, vereador

Veja também

Fossá se reúne com moradores da Efapi25/02/15 Chapecó - O vereador Cleiton Fossá se reuniu com uma comissão de moradores dos loteamentos Alice I, Alice II e Mirante do Sul, no bairro Efapi. As reivindicações destas comunidades são instalação de telefonia fixa, entrega de correspondência por parte dos Correios, pavimentação asfáltica, iluminação pública, coleta de lixo e, principalmente, a construção de um CEIM e de uma escola de ensino fundamental nesta parte......

Voltar para NOTÍCIAS